O que é Yoga: seu conceito e definição

O que é yoga

Acho que nada mais justo do que começar o blog com um texto explicando o que é Yoga.

Essa é uma pergunta que muitos de nós nos fazemos, mesmo aqueles que não tem intenção de praticar o desporto ou viver essa filosofia e estilo de vida, mas a verdade é que mesmo por curiosidade todos gostam de saber.

O que é Yoga?

Yoga, é um sistema de prática holística e precisa que visa o desenvolvimento físico, mental, psicológico e espiritual. O ensino do Yoga combina formas tradicionais com ensinamentos modernos, formando assim uma modalidade única de expansão e despertar da consciência. Na prática, o ensino inclui posturas corporais, exercícios de respiração e diferentes fases de meditação, que juntamente com princípios éticos e filosóficos, formam a base do Yoga.

O yoga é o ensinamento de uma visão do mundo e conhecimento que se integra através da sua compreensão. Deve testá-lo por si mesmo, na prática, na primeira pessoa. Um ensinamento genuíno de Yoga guia o praticante para o caminho da auto-contemplação e verdadeira transformação onde o objectivo é aperceber-se dos mistérios da existência e viver de acordo com a sua própria experiência. Isto cria no praticante uma harmonia que abrange todos os níveis do ser desde a saúde física até ao bem-estar psicológico: emoções elevadas, expansão extasiante, controle e aperfeiçoamento da mente.

Yoga é um caminho de liberdade interior que ajuda o praticante a entender como se pode tornar um mestre da sua própria vida. Enquanto fazendo uso dos princípios gerais do universo, Yoga é uma abordagem científica e esotérica para entender diferentes aspectos da vida. Yoga acorda a consciência latente, mística, imortal e incomensuráveis dimensões no interior do ser humano.

Esta consciência leva a um estado permanente de felicidade e de plenitude onde temos a liberdade de escolher o nosso próprio destino. Uma vez que este acordar da consciência é atingido, guiará todas as nossas acções tornando-as cheias de significado, eficiência e satisfação. Nunca mais nos sentiremos desamparados enfrentando os desafios da vida, sendo que somos guiados por uma sabedoria e compreensão do significado da nossa vida que brota da essência do nosso ser.

 

Seu objectivo

Nas últimas décadas, o Yoga tem vindo a ganhar bastante popularidade no mundo ocidental. Realizando uma jornada complicada através de diferentes e inúmeros tradutores, professores e praticantes, o conhecimento original da ciência ancestral do Yoga tem vindo a desvanecer-se.

Além de o que é Yoga também nos perguntamos sobre o seu objectivo: o principal foco do Yoga que é ensinado nos países do ocidente reside, infelizmente, com frequência no nível físico, na manutenção da saúde e da flexibilidade. Certamente que o Yoga também é um método eficiente para atingir estes objectivos, mas antes de tudo o Yoga é um método extensivo para compreender a felicidade a um nível profundo e para a viver. O Yoga genuíno pode ser reconhecido pelo facto de haver uma consciência estável no que diz respeito à dimensão superior da vida humana, onde o praticante é guiado passo por passo.

O ensino de Yoga tradicional é baseado nos métodos mais eficientes na sua forma original e esotérica, tornado agora pela primeira vez num ensinamento extensivo, aberto e acessível a todos. Anteriormente este ensino era dado apenas a um grupo de estudantes pequeno e exclusivo.

O programa de ensino oferecido pela Academia Siddha Yoga de Portugal guia o praticante para as origens do Yoga e espiritualidade. Este ensinamento de Yoga oferece-lhe um caminho seguro – aperfeiçoado por milhares de anos de experiência – em direcção à auto-realização, encontrando e atingindo o sentido da vida, para uma consciência cada vez mais lúcida, para uma profunda e espontânea alegria e bênção.

Se gostou desse primeiro post sobre o que é yoga aproveite para conhecer os próximos e aprender ainda mais!

Meditação: Conceito e introdução

O que se segue é uma síntese dos ensinamentos tradicionais sobre meditação. Esta não é uma técnica, mas as regras gerais a seguir para entrar no estado de meditação.

Antes de começar

A maioria das pessoas pode conseguir praticar aeróbica ou musculação, por exemplo, sem saber anatomia humana ou sem a compreensão de o por quê o fazem. Infelizmente (ou, talvez, felizmente), isso não é assim com Yoga e a meditação. Sem saber exactamente a natureza deste processo é impossível realizá-la correctamente e, portanto, não pode haver a meditação verdadeira.

A meditação é a maior prática de Yoga (isso não significa que é difícil!). Na verdade, muito poucas pessoas podem realmente meditar, e isto por duas razões principais:

  • Muito poucos sabem exactamente o que é.
  • Menos ainda estão dispostos a cumpri-lo (falta de motivação).

Nem todo mundo que permanece imóvel, com os olhos fechados é meditar. Isso é uma ciência exacta, portanto, não pode ser praticado em total ignorância. Somente aqueles que estudá-la com uma séria motivação interna com êxito pode praticá-la.

É importante considerar que especialmente nas primeiras fases, deve ter um objecto. Sem objecto para meditar, não há meditação. O objecto mais simples de meditação é um objecto físico (uma panela, um desenho, uma bola, etc.). Em estágios mais avançados, os objectos de meditação tornam-se cada vez mais subtil: imagens mentais criadas à vontade, um pedaço de informação, um problema que precisa de uma solução, um sentimento, um pensamento, uma ideia, uma energia subtil, um estado de consciência, etc. Neste material a palavra “objecto” irá se referir a qualquer um destes.

Um ponto importante aqui é que o objecto da meditação tem que ser muito bem percebida pelo sujeito. Em outras palavras, o objecto tem de ter uma realidade objectivo ou subjectivo claro. Uma ideia muito vagamente definido não pode funcionar como um objecto de meditação. O sujeito (o praticante de meditação) deve ser capaz de “tomar posse” de, pelo menos, uma das principais características do objecto, se não de todos eles.

Os passos da meditação

A tradição sem idade da sabedoria ensina que, a fim de entrar no estado de meditação, certas medidas concretas estão a ser seguido. Ninguém pode entrar meditação, sem passar por estas etapas. As etapas são as seguintes:

  • Dharana – concentração mental
  • Dhyana – meditação
  • Samadhi – a identificação de felicidade
    na tradição ocidental, essas três etapas são chamados de “consideratio”(“considerando”), “contemplatio” (“contemplação”) e “raptus”(“arrebatamento”).
  • Cada passo, quando dominado, leva naturalmente para a próxima etapa.
  • Dharana – concentração mental

A mente pode escolher

A mente humana recebe continuamente informações sobre o mundo exterior através dos cinco “portas” dos sentidos: olfato, paladar, visão, tato e audição. Entre os dados recebidos através de um certo sentido, a mente pode selecionar apenas aqueles que são de interesse em um determinado momento. Esta selecção é realizado através de focar a atenção sobre esses dados em particular e ignorando os outros dados sem importância.

Quanto mais a atenção é focalizada sobre um certo sentido, mais a quantidade de informações recebidas através Nesse sentido os aumentos e as informações provenientes de outros sentidos se torna “menos importante” e pode até mesmo ser completamente ignorado pela mente.

Uma característica especial da mente humana é a capacidade de focar a atenção para o mundo interior de sentimentos, pensamentos e ideias. Mais do que isso, a mente humana pode ser focado mesmo sobre si mesmo – este fato é de suma importância, porque cria a possibilidade de controlar a mente.

Esta faculdade da mente humana para modificar à vontade a orientação da atenção consciente é o mecanismo básico de concentração mental (dharana).

A definição de meditação

Meditação significa para reunir em um centro, para reunir, para se concentrar. Concentração mental (dharana) significa focar a mente em cima de um objecto único, sem permitir que ele (a mente) para saltar para outro objecto por um determinado período de tempo. A frente de concentração é de dispersão, de dispersão. Neste caso, a mente salta descontrolada de um objecto para outro, que fixa-se a nada. Infelizmente, esta é a condição mental da maioria das pessoas hoje em dia.

 

Lei da Ressonância: A chave das manifestações do Universo

Lei da Ressonância

Lei da ressonância: A chave secreta de todas as chaves da manifestação do universo

Para a mente ocidental, a linguagem do Yoga e de outros caminhos espirituais é muitas vezes difícil de decifrar: os símbolos e as metáforas são uma selva onde tanto os iniciados como os não-iniciados (maioritariamente) se perdem.

A chave secreta que abre todos estes segredos e significados perdidos é a ressonância. A ressonância é muito fácil de entender para a mente ocidental, tão centrada na abordagem científica da realidade. À luz da ressonância, todas as metáforas e os símbolos imediatamente começam a fazer sentido, tornando-se ao mesmo tempo numa porta genuína em direcção a realidades invisíveis.

Definição

A lei da ressonância tem um carácter relacional, isto é exprime a forma na qual duas ou mais coisas ou fenómenos aparentemente diferentes que selectivamente se comunicam (estão ligados), estando integrados num todo unitário. As conexões que unem todas as coisas no universo têm como base o processo da ressonância.

O segredo fundamental da prática de Yoga é criar e manter um processo da ressonância.

A ressonância é um processo de iniciação e amplificação de uma resposta vibratória num sistema receptor que está sintonizado com um sistema emissor.

É muito importante entender que a ressonância só começa quando a frequência dos dois sistemas (o receptor e o emissor) é muito próxima ou idêntica. No Yoga, o processo de ressonância é criado e mantido principalmente pela permanente atenção focada (concentração mental sem esforço). Durante a ressonância, as frequências cósmicas (energias vibratórias) que são continuamente emitidas como ondas cósmicas por centros interestelares, galáxias ou planetas podem ser recebidos pelos focos correspondentes do corpo humano subtil da mesma forma que um rádio pode ser sintonizado a diferentes frequências de rádio. Durante a ressonância, uma transferência da energia subtil ocorre, da fonte emissora para o receptor. A energia recebida traz consigo todas as características da fonte, em múltiplos níveis (padrões físicos, energia específica, sentimentos, estados interiores, informação, ideias, etc.).

Yoga e a Lei da ressonância

O que tem o Yoga a ver com a lei da ressonância? Todas as técnicas de Yoga (asanas, pranayama, meditação, etc.) São modalidades precisas em criarem ressonância com certas energias cósmicas que são específicas para aquela determinada técnica. O tipo de energia com que certa técnica ressoa é revelado por um guru. Esta é a razão pela qual todos os yogis realmente avançados mantêm asanas, ou meditam, ou fazem pranayama, etc., durante horas a fio (não recomendado para principiantes!).

Por isso, o Yoga põe à nossa disposição não só um instrumento para autoconhecimento, mas também um grande espectro de ferramentas para desenvolver aquelas áreas do nosso ser que são menos desenvolvidas, para que nos tornemos seres inteiros, completos.

Na física clássica, a ressonância é bem conhecida em mecânica, acústica, eletromagnetismo. Este fenómeno, contudo caracteriza a manifestação inteira do universo. A base da existência da ressonância é o substrato enérgico e vibratório do universo.

Lei da ressonância na física

Em acústica, a ressonância acontece quando um corpo elástico começa a vibrar devido a um sinal sonoro (som) que é produzido perto daquele corpo. No electromagnetismo, chamamos de ressonância à superimposição de duas frequências de características idênticas (o mesmo comprimento de onda). Quando duas frequências idênticas se superimpõem, a onda resultante é amplificada. Esta amplificação pode alcançar valores muito altos, chamados de pontos da ressonância. Por isso, a ressonância tem como efeito principal a amplificação da intensidade ou a amplitude de um som ou radiação.

Vimos que uma onda nasce sempre de algo que se move. Ondas de luz, ondas de rádio, ondas oceânicas, ondas gravitacionais, ondas sonoras, ondas mentais, ou qualquer outra espécie de ondas, todas existem e manifestam-se porque em algum lugar, algo se está a mover. Nada se pode mover num lugar sem induzir mais cedo ou mais tarde outro movimento noutro lugar do universo. Uma onda faz mover aquelas coisas que estão no seu caminho de forma semelhante ao movimento inicial que gerou a onda.

Interferência

Se duas ondas ‘empurrarem’ um objecto na mesma direcção, o objecto vai mover-se mais depressa naquela direcção. Se duas ondas empurrarem um objecto em direcções opostas, o objecto vai mover-se mais devagar. Se a direcção das duas ondas fizer um ângulo, o objecto modificará a direcção, etc. De facto, nesses casos as ondas não se afectam uma à outra, elas somente interferem uma com a outra. O fenómeno da interferência está a acontecer continuamente no mundo das ondas.

Consonância e dissonância

Digamos há duas fontes independentes de ondas. Neste caso há quatro possibilidades:

  1. Se as ondas tiverem frequências iguais e o mesmo período, eles amplificam uma à outra (ressonância ou consonância).
  2. Se as ondas tiverem frequências iguais e período oposto, eles trabalham uma contra a outra (dissonância, discórdia).
  3. Se as frequências forem próximas, mas não iguais, eles produzem o fenómeno da batida. A batida é um resultado de uma interferência periódica, por outras palavras, às vezes as ondas amplificam-se uma à outra, às vezes eles trabalham uma contra outra. A onda resultante é uma onda modulada, cuja frequência será a diferença entre as duas frequências iniciais.
  4. Se as frequências forem muito diferentes, eles não influenciam uma à outra de todo.

Osciladores e sistemas ressoantes

Qualquer objecto que se mova periodicamente pode ser considerado um oscilador. Os osciladores modificam o seu ambiente (por exemplo ar, água, campo gravitacional, etc.) Ao criarem ondas.

Digamos que temos dois violinos afinados identicamente. Colocamos os dois violinos em cima da mesa, e num deles produzimos um som ao vibrarmos uma corda. Notaremos que no outro violino (que não tocámos) a corda correspondente (que, por isso, está sintonizada à mesma frequência) também começará a vibrar, produzindo um som semelhante ao som produzido pelo primeiro violino. Isto é um fenómeno de ressonância. Os dois violinos constituem um sistema ressoante.

A lei cósmica de ressonância

Esses fenómenos de ressonância podem ser muito bem atribuídos ao nosso mundo interior de pensamentos, sentimentos e emoções bem como ao nosso modo de associarmos-nos com outras pessoas e com o nosso meio.

Os pensamentos, as sentimentos, as ideias, etc., atraem, evocam e amplificam-se umas às outras pela ressonância. Aqueles pensamentos/sentimentos que não têm frequências iguais não se influam umas às outras. E aqueles pensamentos/sentimentos que têm frequências opostas tendem a cancelarem-se umas às outras.

Exemplos de ressonância

  1. Uma explosão de raiva crescente entre duas pessoas é uma manifestação do fenómeno de ressonância. A pessoa que se zanga cria ondas de raiva que se estendem para o seu meio. Deste modo, a sua raiva será facilmente transmitida a outra pessoa. Se esta outra pessoa aceitar essas frequências na sua aura, ela também se vai zangar, produzindo as ondas da mesma frequência, que irão influenciar a primeira pessoa por ressonância, amplificando a sua raiva. Deste modo, enquanto eles estiverem juntos, as suas raivas crescerão continuamente.
  2. Duas pessoas que concordam com um assunto são atraídas uma à outra, porque elas ressoam.
  3. Um aspecto muito importante da ressonância é a ressonância de grupo. Neste caso, se um grupo de pessoas estiver sincronizado e pensarem ou sentirem os mesmos pensamentos/sentimentos, o poder daqueles pensamentos/sentimentos é muito amplificado. Este fenómeno é muito óbvio em círculos de cura, onde um grupo de pessoas é sincronizado e enviam energia (que é amplificada pela ressonância) a uma pessoa que precisa de ajuda. Deste modo, os participantes não precisam de ser muito poderosos ou habilidosos, porque os seus esforços, ainda que desajeitados, acrescentarão e amplificarão, por ressonância, criando um efeito perceptível, que de outra forma podia não ter sido alcançado por um único indivíduo.

Conclusão

A lei ressonância trata de uma conexão. O modo de criar esta conexão está codificado nas várias técnicas ou ‘modus operandi‘ dos vários caminhos espirituais. Quem compreende profundamente a lei da ressonância, encontrou o núcleo de todos as formas de abordar todas as dimensões do universo.

 

Saúde e bem-estar no Yoga

A prática do Yoga é um caminho para a saúde e bem-estar geral. De acordo com a perspectiva do Yoga, o ser humano é uma unidade complexa, onde todos os níveis do ser – físico, energético, emocional, mental, psicológico e espiritual – interagem em conjunto. O Yoga critica o ponto de vista da medicina ocidental moderna que não considera o ser humano como o ser multidimensional que ele é, mas apenas como um mecanismo físico e é sobre isso que falaremos hoje.

Medicina, saúde e bem-estar

Enquanto a medicina ocidental moderna trata os sintomas das doenças e distúrbios de saúde, o Yoga lida com as suas causas a um nível profundo. O corpo físico e a sua saúde ou doença é um reflexo do corpo subtil, do estado de espírito e das emoções de um ser humano, de como ele está a usar a sua mente e do modo como se está a aproximar do mundo e de si próprio.

Certamente cada um de nós que experimentou uma imensa felicidade, mesmo que por um curto período de tempo, sabe quão profundo efeito tem para saúde e bem-estar. Poderá sentir-se mais leve, como se estivesse repleto de vitalidade, como se pudesse fazer qualquer coisa.

Por outro lado, uma forma de pensar negativa, deprimida e obsessiva, que se repete de forma continuada, provoca dores de cabeça, tensões e cansaço, que a longo prazo poderá mesmo evoluir para doenças graves.

Esta é, obviamente, uma explicação muito simplificada para o que realmente acontece nas complexas interacções dos diferentes níveis de um ser humano. Yoga oferece um ponto de vista científico, muito preciso e lógico para um tratamento diferente dos problemas físicos.

Saúde e bem-estar no Yoga

Cada exercício de Yoga para além dos efeitos subtis tem efeitos físicos concretos. Estes efeitos surpreendentes são baseados no facto de começarmos o tratamento do problema pela sua raiz. Cada exercício é uma forma única de entender e equilibrar uma área específica do ser – seja uma constipação, insónia ou o tratamento de doenças graves.

O tratamento Holístico de doenças do Yoga requer que o próprio ser humano trabalhe activamente para a resolução do problema, através de uma profunda autocontemplação e de um programa de treino físico para uma melhora da saúde e bem-estar.

A grande revelação aqui é que o ser humano é inteiramente capaz de se curar a si próprio. No entanto, está cura tem de começar a partir do interior. Além de exercícios de yoga, no tratamento, utilizamos também Ayurveda, uma antiga medicina tradicional Indiana, que é ainda usada actualmente e está a ganhar popularidade de forma significativa por todo o mundo, sendo que também muitos médicos modernos a estão a usar nos seus tratamentos.

A partir do nível subtil, uma prática regular de Yoga mudará gradualmente a sua condição física numa direcção mais saudável, vital e equilibrada. Yoga ajuda-nos a compreender que a felicidade é baseada num corpo, mente e alma saudáveis e harmoniosos. Ele ajuda-nos na procura da felicidade a partir do interior.

Através da ajuda dos exercícios de Yoga, é possível alcançar um estado físico, psicológico, mental e espiritual de equilíbrio e vitalidade, que é fonte de felicidade duradoura. Neste estado, a sua vitalidade é inesgotável, não estará propenso a efeitos físicos ou doenças do envelhecimento. Você vive em contínua ligação com a energia inesgotável do universo; tornar-se-á um mestre do seu próprio ser.

Benefícios do Yoga

Benefícios do yoga

Na verdade vejo esse post como um extensão do meu primeiro. Afinal os benefícios do Yoga também é um tema muito importante.

Benefícios do Yoga

Ainda que os primeiros exercícios de Hatha-Yoga sejam bastante fáceis de realizar e feitos de forma suave e tranquila, normalmente os efeitos podem ser percepcionados após pouco tempo de prática. Os efeitos percepcionados em primeira instância são, entre outros, um profundo relaxamento e aumento da vitalidade, serenidade e alegria.

Um dos benefícios do Yoga mais conhecidos é certamente o aumento da flexibilidade e fortalecimento do corpo.

É inevitável que o corpo de uma pessoa, que pratique Yoga, se torne gradualmente flexível e elástico. Na fisiologia oriental, a rigidez da coluna vertebral e articulações é considerada como a origem do envelhecimento.

Contudo, a flexibilidade é apenas um dos primeiros passos no caminho do Yoga. Quando obtida começa a manifestar-se progressivamente uma consciência mais profunda e clara em relação à nossa própria existência e aumenta a sensação de estarmos presentes. Os sentidos tornar-se-ão mais desenvolvidos e expandidos. Começará por percepcionar o meio que a rodeia como mais rico e mais multidimensional do que antes.

Como as leis da mente se tornarão mais familiares para si, haverá espaço para paz de espírito – o diálogo interior acalmará e será mais fácil mudar os seus pensamentos de forma positiva e criativa. Será também mais fácil observar as suas próprias acções e transformá-las.

Prática regular

Ao praticar Yoga regularmente e de forma contínua, será capaz de ter um efeito cada vez mais profundo na causa original da saúde e das doenças e, assim, alcançar uma cura permanente a todos os níveis: no corpo, na psique, na mente e na alma. Sentirá assim a sua vida transformar-se de uma forma harmoniosa, onde sentirá o aumento do controle sobre a sua vida a todos os níveis.

Se gostou desse post sobre os benefícios do Yoga confira também o meu primeiro sobre o que é Yoga e aproveite para conhecer os próximos e aprender ainda mais!